Publicidade
Toque de Alerta - toquedealerta.com.br
POLÍCIA
Terça - 14 de Fevereiro de 2012 às 05:42
Por: Olhar Direto

    Imprimir


Foto: Renê Dióz/OD
Indiciado por homicídio e tentativa de destruição de cadáver, o assassino confesso do “caso Fornalha”, Weber Melques Vernandes de Oliveira, de 22 anos, relatou à policia que cometeu o crime devido a uma súbita e irresistível vontade de matar que sentiu após beber e fazer uso de drogas ao lado da vítima Katsue Stefany, 23, na pizzaria Fornalha, que pertence a seu pai.

De acordo com o advogado da família do indiciado, Paulo Fabrini, Weber não soube explicar a motivação para o assassinato, apenas o desejo de partir para cima da vítima no momento em que usavam drogas.

O pai se disse espantado e sem entender o episódio, posto que Weber, querido no bairro onde mora, nunca demonstrou agressividade nem nunca “deu trabalho para os pais”. Sobre seu uso de drogas, o pai andava desconfiado há cerca de um mês, mas nunca obteve nenhuma prova. Segundo o advogado, Weber teria apenas uma passagem pela polícia, por roubo, mas nunca foi chamado a qualquer delegacia.

Já o delegado responsável pelo inquérito, André Renato, explicou que Weber avançou sobre Katsue duas vezes com uma faca de cozinha encontrada na própria pizzaria. Nas duas tentativas, ela se esquivou; na terceira, Weber conseguiu atingi-la fatalmente no pescoço.

Quando Katsue caiu no chão, o assassino confesso teria caído em si e pensou numa forma rápida de ocultar o corpo. A maneira mais fácil encontrada teria sido de colocar o corpo da vítima dentro do fogo da pizzaria, com a cabeça oposta à abertura.

Depois de cometido o crime, Weber foi para casa, dormiu e, no dia seguinte, confessou tudo ao pai. Depois fugiu para uma chácara de conhecidos na região de Cuiabá, onde ficou até que o advogado o convenceu a se entregar.

Preso temporariamente (10 dias), Weber deve ter a prisão cautelar pedida pelo delegado André Renato. O inquérito deve ser fechado dentro de dois dias com os indiciamentos por homicídio qualificado e tentativa de destruição de cadáver.

O advogado informou à imprensa que Weber, nos últimos dias, já recebeu ameaças vindas de presidiários da Penitenciária Central do Estado (PCE), o que a polícia ainda está averiguando. Até o final desta tarde, o destino mais provável de Weber era o presídio do Carumbé, em Cuiabá.





URL Fonte: http://toquedealerta.com.br/noticia/17650/visualizar/